ISOLADOS PELO BRASIL & JUNTOS DE VEZ

Atualizado: Out 1

Acredito que o assunto mais falado hoje também entre os amantes de viagens ainda seja a pandemia e como cada região do globo vem se reabrindo, se adequando e, acima de tudo, se reinventando durante as várias etapas deste processo.


E é incrível pensar que o isolamento possa, por um outro lado, também aproximar tanto as pessoas que estavam distantes.


Desde que pegamos as estradas brasileiras em agosto de 2020, nosso carro-casa virou uma espécie de cápsula itinerante e prontamente começamos a definir, 100% em conjunto, cada movimento do dia-dia

Desde o princípio, os destinos escolhidos buscavam o maior distanciamento possível das grandes metrópoles, tanto para evitar aglomerações como para facilitar a movimentação e estabelecimento de nosso parceiro Figueiredo de 3 toneladas, 2,5m de altura e 4,6m de comprimento.


Parques nacionais, sertão, agreste, interior, serra acabaram tornando-se os pontos mais procurados.


Experimentamos também, pela primeira vez em anos de convivência, compartilhar praticamente tudo que envolve cada atividade diária, desde o que vamos comer e comprar no mercado até onde vamos parar e como nos sentiremos seguros.


A parceria foi, definitivamente, colocada à prova.


Começamos então a viver exatamente o oposto do que estávamos acostumados em uma rotina de viagens pelo trabalho, plantões aos finais de semana e eventos fora da cidade.


A vida de viajante em dupla tornou-se uma eterna terapia de casal sem supervisão e em sessões incrivelmente rápidas

O quarto de dormir é um só, a cozinha é comunitária e, obviamente, as decisões são constantes e dinâmicas, ou seja, simplesmente não existe espaço para ficar sem falar um com o outro ou fazer qualquer tipo de jogo de médio-longo prazo.


Talvez tudo tenha ficado “mais sincero” durante todo esse período.


Interessante pensar que, mesmo com uma rotina completamente diferente, vivemos “na pele” uma transformação que outros casais também tiveram que passar durante os meses contínuos em casa.